A escrita de diários de campo por alunos de letras. Da aula observada à produção do dado relevante

  • Claudia Riolfi Universidade de São Paulo
  • Valdir Heitor Barzotto Universidade de São Paulo
Palabras clave: escrita, diário de campo, formação de professores

Resumen

A partir de um levantamento de dificuldades que concluintes da licenciatura em Letras mostram ao escrever, buscamos parâmetros para que, em relatos de prática, os autores descrevam uma aula, fazendo com que essa descrição funcione como dado de sua pesquisa. Por meio da análise de 1600 relatos de prática, produzidos entre 2003 e 2013, buscamos responder à pergunta: que desafios precisam ser ultrapassados pelos estudantes de letras de modo que seu texto expresse a constituição, ao longo do curso, de um olhar profissional frente: a) à aula de Língua Portuguesa, enquanto evento de linguagem; e b) à sua própria escrita? A análise dos dados incidiu sobre três grandes temáticas: 1) como o estagiário percebe a própria tarefa de escrever diários; 2) como o estagiário registra as falas de outras pessoas; e 3) como o estagiário constrói referências temporais. Para funcionar como dado de sua pesquisa, o texto deve permitir que se leia as especificidades do observado. O curso de licenciatura precisa levar o aluno a construir a capacidade de escrever bem sem perder sua condição de falante, a partir da qual ele pode se reler e se perguntar se, enquanto falante da língua materna, aceitaria seu próprio texto.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Claudia Riolfi, Universidade de São Paulo

Doutora em lingüística e docente da Faculdade de Educação da Universidade em São Paulo

Valdir Heitor Barzotto, Universidade de São Paulo

Professor na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

Citas

Barzotto, V. H., Aragute, Tânia Aiko. (2008) O falante, o professor e o ensino de Língua Portuguesa In: Leitura, escrita e ensino. (p. 157-170). Ed. Maceió: Edufal, 2008, v.1.
Fairchild, Thomas Massao. (2013, abril.). Procuram-se professores histéricos: sobre o papel da escrita nas licenciaturas. Estilos da Clínica, pp. 71-88. Brasil, v. 18, n. 1. Recuperado a 21 de outubro de 2015, em: .
Ilari, Rodolfo. (1997). O papel da linguística nos cursos de letras. In: A linguística e o ensino de língua portuguesa. 4a ed. São Paulo: Martins Fontes.
Lüdke, Menga & André, Marli E. D. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Temas básicos de Educação e Ensino. Capítulos 3 e 5. São Paulo: EPU.
Rezende, Neide Luzia de (2010). - Relatório e Projeto na Licenciatura: a Escrita como Potencialização da Experiência. p. 1-14. Linha D´Água, n. 23.
Riolfi, Claudia. (2015). A língua espraiada. Campinas, SP: Mercado de Letras.
Publicado
2020-12-16
Cómo citar
Riolfi, C., & Barzotto, V. (2020). A escrita de diários de campo por alunos de letras. Da aula observada à produção do dado relevante. Revista Ensayos Pedagógicos, 23-39. https://doi.org/10.15359/rep.esp-20-1.1

Comentarios (ver términos de uso)