A escrita de diário de campo e a formação do professor de português

  • Emari Andrade Universidade de São Paulo
Palabras clave: escrita, diário de campo, formação de professores

Resumen

Este trabalho toma como objeto de estudo o modo como alunos de graduação em Letras de Universidades brasileiras registram a realidade escolar que observam e a maneira como se implicam (ou não) com a qualidade do registro e com essa realidade. O artigo analisa diários de campo de graduandos de três universidades públicas brasileiras localizadas na Bahia, Mato Grosso e São Paulo, no período de 2009 a 2014. O trabalho busca, com esse esforço, refletir a respeito da importância de tomar como objeto de análise aquilo que o próprio professor em formação escreve, na direção de ajudá-lo a construir um lugar enunciativo desde o qual pense a respeito do ensino e possa se assenhorar da profissão docente. A análise dos dados permitiu mostrar que nos registros dos futuros professores são encontrados, por um lado, impasses que indicam uma posição enunciativa mais passiva e, por outro, indícios de uma posição mais ativa e curiosa frente à sala de aula.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Emari Andrade, Universidade de São Paulo

Professora do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação de Universidade de São Paulo

Citas

Barzotto, V., Eufrásio, D. (2015). O relatório de estágio como manifestação do perfil profissional em Letras. Revista de Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa. Número 3. Disponível em: . 2008. Acesso em: 14 jun. 2015.
Barzotto, V., Puh, M. (2015). O perfil e a atitude investigativa do profissional de
Letras diante do dado no relatório de estágio. In Riolfi, C. (Org.), Professor de
português: como se forma, trabalha e entende sua prática (pp. 91-111). São Paulo: Paulistana.
Eufrásio, D. (2007) Traços das formações discursivas do dogma e da investigação em relatórios de pesquisa e de estágio: reflexão sobre o papel da pesquisa na formação docente (dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), São Paulo, SP, Brasil.
Fairchild, T. M. (2010) O professor no espelho. Refletindo sobre a leitura de um relatório de estágio na graduação em Letras. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 10 (1), 271-288.
. (2009) Conhecimento técnico e atitude no ensino de língua portuguesa. Educação e Pesquisa, 35, 495-507.
. (2008) Quatro considerações sobre a leitura de relatórios de estágio em Língua Portuguesa. In Krause-Lemke, C. e al. (Orgs.), Cultura, linguagem e educação: relações de poder (1ª ed, pp. 227-249). Guarapuava: UNICENTRO.
Larrosa, J. (1996) La experiencia de la lectura. Estudios sobre literatura y formación. Barcelona: Laertes S.A. de Editiones.
Pécora, A. (1992) Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes.
Pimenta, S. G. & Lima, M. S. (2005/2006) Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis. Vol3 (n. 3 e 4), 5-24.
Riolfi, C. (2003) Ensinar a escrever: considerações sobre a especificidade do trabalho da escrita. Leitura. Teoria & Prática. Revista da Associação de Leitura do Brasil, 40, 47-51.
Riolfi, C., Andrade, E., Rocha, A. R. (2006). O sujeito e o trabalho da escrita: perseguindo os meandros do ato de escrever. In Rezende, N. L., Riolfi, C., Semeghini-Siqueira, I. (Orgs.). Linguagem e educação: implicações técnicas, éticas e estéticas (pp. 35-72). São Paulo: Humanitas.
Zabalza, M. (2004) Diarios de clase. Un instrumento de investigación y desarrollo profesional. España: Narcea.
Publicado
2020-12-16
Cómo citar
Andrade, E. (2020). A escrita de diário de campo e a formação do professor de português. Revista Ensayos Pedagógicos, 125-142. https://doi.org/10.15359/rep.esp-20-1.6

Comentarios (ver términos de uso)