POTENCIALIDADES CIENTÍFICA, EDUCACIONAL E LÚDICA DOS REGISTROS GEOLÓGICOS PRESENTES NO PARQUE MUNICIPAL ANHANGUERA, SÃO PAULO, BRASIL

  • Mikhaela Aloísia Jéssie Santos-Pletsch Universidade de São Paulo
  • Victor Fernandez-Velázquez Universidade de São Paulo
  • José Maria Azevedo-Sobrinho Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente
  • Antonio Carlos Moretti-Guedes Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente
  • Luiz Rodrigo Pisani Novaes Parque Municipal Anhanguera
Palabras clave: Parque Municipal Anhanguera, Grupo Serra do Itaberaba, Geodiversidade, Geoconservação

Resumen

O Parque Municipal Anhanguera dista 30 km a NW do marco referencial geográfico zero do município de São Paulo e, com uma extensão de 950 hectares, representa a maior área verde preservada de uso público da cidade. Com base na interpretação de imagens de satélite e no levantamento dos registros geológicos foram identificados sítios que exemplificam, de maneira clara e objetiva, diversos processos e ambientes geológicos formadores de rochas. Uma avaliação pormenorizada desses afloramentos permitiu a caracterização de vários tipos de rochas metamórficas e estruturas tectônicas com elevada potencialidade científica, educacional e lúdica. A integração dos resultados aqui reunidos com os novos preceitos da conservação ambiental deve tornar possível a implementação de um plano de manejo estratégico, visando uma ação efetiva de ordenamento e gestão, para que os recursos naturais presentes no parque possam ser preservados e aproveitados de maneira mais ampla pela comunidade em geral.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Mikhaela Aloísia Jéssie Santos-Pletsch, Universidade de São Paulo
Escola de Artes, Ciências e Humanidades – Universidade de São Paulo. Avenida Arlindo Béttio, 1000 – Ermelino Matarazzo. CEP 03828-000. São Paulo, SP.
Victor Fernandez-Velázquez, Universidade de São Paulo
Escola de Artes, Ciências e Humanidades – Universidade de São Paulo. Avenida Arlindo Béttio, 1000 – Ermelino Matarazzo. CEP 03828-000. São Paulo, SP.
José Maria Azevedo-Sobrinho, Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente
Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Avenida Miguel Stéfano, 3900. CEP 04301-903. São Paulo, SP.
Antonio Carlos Moretti-Guedes, Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente
Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Avenida Miguel Stéfano, 3900. CEP 04301-903. São Paulo, SP.
Luiz Rodrigo Pisani Novaes, Parque Municipal Anhanguera
Parque Municipal Anhanguera – DEPAVE – 5004. Avenida Fortunata Tadiello Natucci, 1000. São Paulo, SP.

Citas

Allmendinger, R. (2011) StereoNet: software for stereographic projection. Disponível em: http://www.structuralgeology.org/2009/02/stereonet.html

Almeida, F. (1964). Fundamentos Geológicos do Relevo Paulista. São

Paulo: Instituto de Geografia, Universidade de São Paulo (pp.99).

Almeida, F., Amaral, G., Cordani, U. & Kawashita, K. (1973). The

Pre-Cambrian evolution of the South American cratonic margin,

south of Amazon river. In: Nairn, E. M. & Stehli, F.G. (Editores),

The ocean basins and margins. New York, Plenun (pp.411-446).

Barroso, M. (2013) História geológica no lixo. Geografia, 48 (pp.20-27).

Bartalini, V. (1999). Parques públicos municipais de São Paulo: a ação

da municipalidade no provimento de áreas verdes de recreação. São

Paulo. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade

de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo (pp.221).

Bergmann, M. (1988). Caracterização estratigráfica e estrutural da sequência vulcano-sedimentar do Grupo São Roque na região de Pirapora do Bom Jesus – Estado de São Paulo. São Paulo. Dissertação

(Mestrado em Geociências) - Instituto de Geociências, Universidade

de São Paulo. (pp.167).

Bergmann, M. (1992). Litoestratigrafia e paleoambiente do Grupo São

Roque na região do sinclinório de Pirapora (SP) - Revisão. In: SBG,

CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 37, São Paulo. Boletim

Resumos Expandidos. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia (pp.282-283).

Brilha, J. (2005). Patrimônio geológico e geoconservação – a conservação da natureza na sua vertente geológica. Braga, Palimage, (pp. 190).

Brito N. & Cordani, U. (1991). Tectonic evolution of South America during late proterozoic. Precambrian Research, v. 33. (pp. 23-40).

Brose, M. (2009). O pagamento por serviços ambientais: o mercado de carbono promove a inclusão social?. Goiânia: Editora da UCG, 1.

(pp. 386).

Campos, M. (2000). Orogenic systems from Southwestern Gondwana: an Approach to Brasiliano-Pan African Cycle and Orogenic Collage in

Southeastern Brazil. In: Cordani U.G., Milani E.J., Thomaz Filho

A., Campos D.A. (Editores.), Tectonic Evolution of South American.

Rio de Janeiro, CPRM. (pp.335-365).

Carneiro, C., Hasui,Y. & Dantas, A. (1984). Contribuição ao estudo da

litoestratigrafia do Grupo São Roque na faixa Jaraguá-Cristais-SP.

In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 33, Rio de Janeiro

(RJ). Anais. (pp.3212-3226).

Carneiro, C. (2002). Cavas de ouro históricas do Jaraguá, SP – Os primórdios da mineração no Brasil. In: Schobbenhaus, C.; Campos,

D.A.; Queiroz, E.T.; Winge, M.; Berbert-Born, M.L.C. (eds.), Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil, 1, 2002. Brasília: DNPM/ CPRM – Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP). (pp.511-515).

Carneiro, C., Toledo, M., & Almeida, F. (2004). Dez motivos para inclusão de temas de Geologia na educação básica. Revista Brasileira de Geociências, 34. (pp.553-560).

Coreldraw Graphic Suite X6. More than you thought possible: graphic design software for striking visual communication. Disponível em:<http://www.corel.com/servlet/Satellite/ca/en/Product/1191272117

#tabview=tab0>

Coutinho, J., Rodrigues, E., Suemitsu, A., Juliani, C., Beljavskis, P., Perosa, P. & De T.Y. (1982). Geologia e petrologia da seqüência vulcano-sedimentar do Grupo São Roque na Serra de Itaberaba – SP. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 32, 1982, Salvador,

Bahia. Anais, 2. (pp.624-640).

CPRM (2013). Serviço geológico do Brasil. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/>

Eagle Globe Software Company. Global mapper professional 3D GPS

tracking GIS mapping software. Disponível em: <http://www.eagleglobesoftware.com/index.htm>

Farsani, N., Coelho, C., Costa, C. & Carvalho, C. (eds) (2012) Geoparks

and geotourism: new approaches to sustainability for the 21th century.Brown Walker Press, Boca Raton, Florida-USA, (pp 208).

Godoy, F. (2011). Composição e estrutura de bandos mistos de aves em uma área de plantio de eucalipto (Eucalyptus sp.). Atualidades Ornitológicas On-line, 163. (pp.43-47).

Golden Software. Technologically advance mapping and graphing solutions. Disponível em: <http://www.goldensoftware.com/products/

surfer/surfer.shtml>

Hackspacher, P., Godoy, A. & Oliveira, M. (1993). Evolução crustal do

Bloco São Roque na região sudeste do Estado de São Paulo. São

Paulo: Revista Brasileira de Geociências, 23(3) (pp.260-264).

Hackspacher, P. (1994). Tectônica transtensiva/transpressiva e alojamento de rochas plutônicas, a exemplo da Folha Cabreúva (SP) 1:50000. Rio Claro. Tese (Livre Docência) - Instituto de Geociências e

Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. (pp.203).

Hackspacher, P., Dantas, E., Godoy, A., Oliveira, M., Fetter, A. & Van

Schmus, W. (1999). Considerations about the evolution of Ribeira

Belt in the São Paulo State – Brazil: from U/Pb geochronology in metavolcanic rocks of the São Roque Group. In: SOUTH AMERICAN

SYMPOSIUM ON ISOTOPE GEOLOGY, 2, Carlos Paz, Argentina,

Proceedings. (pp.310-313).

Hasui, Y., Carneiro, C. & Coimbra, A. (1975). The Ribeira folded belt.

Revista Brasileira de Geociências, 5. (pp.257-266).

IUGS (2013). . Disponível em: <http://geoheritage-iugs.mnhn.fr/>

Juliani, C., Beljavskis, P. & Schorscher, H. (1986). Petrogênese do vulcanismo e aspectos metalogenéticos associados: Grupo Serra do

Itaberaba na Região do São Roque – SP. In: CONGRESSO BRASILEIRO

DE GEOLOGIA, 34, Goiânia. Anais, 2. (pp.730-745).

Juliani, C. & Beljavskis, P. (1995). Revisão da litoestratigrafia da Faixa

São Roque/Serra do Itaberaba (SP). Revista Brasileira de Geociências,

(pp. 33-58).

Juliani, C.; Pérez, A.; Martin, M., Beljavskis, P. (1996). Ocorrência e petrografia dos metarriolitos da Formação Nhanguçu - Grupo Serra do

Itaberaba (SP). Revista Brasileira de Geociências, 26. (113-116).

Juliani, C., Martin, M., Clarimundo, S., Mcreath, I. & Pertersen Jr. (1999). Geologia dos Grupos Serra do Itaberaba e São Roque entre o Pico do Jaraguá e Araçarigüama, São Paulo. In: SBG/NSP-NRJ/ES,

SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO SUDESTE, Águas de São Pedro,

Boletim de Resumos, 6, (26).

Juliani, C., Hackspacher, P., Dantas, E. & Fetter, A. (2000). The Mesoproterozoic volcano-sedimentary Serra do Itaberaba Group of the Central Ribeira Belt, São Paulo State, Brazil: Implications for the age of the overlying São Roque Group. Revista Brasileira de Geociências,

(1). (pp.82-86).

Juliani, C. (2000) Mapa geológico estrutural-Escala 1:30 000. In: Martin, M.A.B. Geologia, petrografia e metamorfismo dos Grupos Serra do Itaberaba e São Roque a noroeste da cidade de São Paulo (SP).

Dissertação Mestrado, Instituto de Geociências da Universidade de

São Paulo, São Paulo. (pp.256).

Juliani, C.; Monteiro, L.; Fernandes, C.; Pérez, A.; Londoño, A., Freitas, F. & Piacentini, T. (2007) Carta Geológica da Folha Atibaia (SF-23-

Y-C-III), Escala 1 :100.000. Programa Geologia do Brasil Levantamentos Básicos.

Juliani, C.; Monteiro, L., Fernandes, C., Aguilar, A., Londoño, A., Freitas, F., Piacentini, T. & Rosensaft, M. (s.f.). Geologia da Folha Atibaia (SF-23-Y-C-III), Escala 1:100.000. Programa Geologia do Brasil Levantamentos Básicos, IGc-USP/CPRM/MME-SGMTM (no prelo).

Knecht, T. (1950). Ocorrências minerais do Estado de São Paulo. São

Paulo: Secretaria da Agricultura, v. 1 (municípios de São Paulo, Santana de Parnaíba, Barueri, Franco da Rocha, Guarulhos, Mogi das

Cruzes, Suzano e Poá). (pp.144).

Martin, M. (2000). Geologia, petrografia e metamorfismo dos Grupos Serra do Itaberaba e São Roque a noroeste da cidade de São Paulo

(SP). São Paulo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Geociências,

Universidade de São Paulo. (pp.256).

Mawe, J. (1812). Travels in the interior of Brazil. London, Longman.

(pp.416).

Newsome, D. & Dowling, R. (eds) (2010). Geotourism: the tourism of

geology and landscape. Goodfellow Publishers Limited, Woodeaton,

Oxford, (pp.246.)

Nieto, L. (2001). Geodiversidad: propuesta de una definición. Boletín

Geológico y Minero, 112. (pp.3-12).

Pinto, H. & Janasi, V. (2010). Metaconglomerados e rochas associadas do Grupo São Roque a norte da cidade de São Paulo, Brasil. Revista

Brasileira de Geociências, 40. (pp.409-425).

Pletsch, M.A.J.S., Velázquez, V.F., Azevedo sobrino J.M., Guedes, A.

C.M. & Novaes, L.R.P. (2011a). The multidisciplinar role of the

Anhanguera Park in the geodiversity context, SP. In: SIMPÓSIO

BRASILEIRO DE PATRIMÔNIO GEOLÓGICO, 2011, Rio de Janeiro.

Atas do I Simpósio Brasileiro de Patrimônio Geológico.

Pletsch, M.A.J.S., Velázquez, V.F., Azevedo sobrino J.M., Guedes, A.

C.M. & Novaes, L.R.P. (2011b). Avaliação preliminar do relevo e

da drenagem superficial do Parque Municipal Anhanguera através

de imagens CBERS-2, IKONOS e modelo digital do terreno. In: 13°

CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA

E AMBIENTAL, 2011, São Paulo. Anais. São Paulo: Associação

Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, 1.

SIGEP (2013). Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. Disponível

em: <http://sigep.cprm.gov.br/>

Siqueira, E. (2001). Companhia Brasileira de Cimento Portland Perus:

contribuição para uma história da indústria pioneira do ramo no Brasil (1926-1987). Araraquara. Dissertação (Mestrado em Economia)

- Universidade Estadual de São Paulo. (pp.230).

SMVMA. Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente de São Paulo.

(2010). Guia dos Parques Municipais. SMVMA: São Paulo, 2. (pp.191).

SMVMA. Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente de São Paulo.

Parque Anhanguera. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.

br/cidade/secretarias/meio_ambiente/parques/programacao/index.

php?p=5730>

Tassinari, C., Munhá, J., Correia, C. (2001). Neoproterozoic Oceans in

the Ribeira Belt (southeastern Brazil): The Pirapora do Bom Jesus

Ophiolitic Complex. Episodes, 24(4). (pp.245-251).

Cómo citar
Santos-Pletsch, M., Fernandez-Velázquez, V., Azevedo-Sobrinho, J., Moretti-Guedes, A., & Pisani Novaes, L. (1). POTENCIALIDADES CIENTÍFICA, EDUCACIONAL E LÚDICA DOS REGISTROS GEOLÓGICOS PRESENTES NO PARQUE MUNICIPAL ANHANGUERA, SÃO PAULO, BRASIL. Revista Geográfica De América Central, 2(51), 189-214. Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/5995
Sección
Estudios de Caso (Evaluados por pares)