Personal networks and school performance in elementary education: a study on the final students of the Santos Dumont State School, Parnamirim in Rio Grande do Norte, Brazil

Keywords: Education, personal networks, school performance

Abstract

Personal networks for modeling relationships among a group of individuals have been widely used in the social sciences, especially in Sociology. Nevertheless, this type of approach covers other areas of scientific knowledge. In the case of education, for example, the use of personal networks can serve as a basis for the mapping of the relational field that involves a particular individual, considering their different educational spaces. In this sense, it is assumed that the use of personal networks can serve as a methodological tool for the identification of the relational fields that permeate a student’s school performance during their schooling. Therefore, the objective of this work is to analyze the relationship between personal networks and school performance with students of the High School Series of the Santos Dumont State School, located in the municipality of Parnamirim, Rio Grande do Norte, Brazil. In order to reach this goal, the methodology adopted consisted of five specific procedures: 1) A literature review on personal networks and school performance, with emphasis on the concepts of density (degree of network connectivity) and the number of clicks (clustering of nodes, from three or more actors who maintain links between them.); 2) Application of a questionnaire to collect the data of personal networks, through which the students mentioned the name of 45 people they knew; the degree of proximity and the type of relationship they had with each of the 45 people mentioned; 3) Calculation of density values and number of clicks (network indicators); 4) Obtaining the notes of Portuguese and Mathematics of the students; and 5) Application of the logistic regression model to identify the likely relationships between the personal network and the school performance of each student investigated. The results obtained showed that students with very dense networks tend to take low grades in Portuguese, while students with networks that have many clicks show a certain tendency to take low grades in Mathematics.

Author Biographies

Bruno Lopes -da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGE/UFRN) e professor do ensino básico, vinculado à Secretaria Estadual de Educação do Rio Grande do Norte
Moisés Alberto Calle-Aguirre, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Pesquisador e Professor associado 1 do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais, Vice-Chefe do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais. Linhas de pesquisa: demografia da educação, demografia e redes sociais pessoais, fecundidade, gênero e saúde reprodutiva. Tem publicado artigos em revistas no campo da demografia, assim como participação em diversos congressos relacionados à demografia e à educação.
Valério Bezerra-de Lima, Governo do Estado do Rio Grande do Norte
Exerce no município Ielmo Marinho docência na educação básica da rede estadual de ensino do Rio Grande do Norte – Brasil

References

Berten, A. (2007). A epistemologia holista-individualista e o republicanismo liberal de Philip Pettit. Kriterion. Revista de Filosofía, 48(115), 9-31. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-512X2007000100002

Borges, C. C. & Magalhães, A. S. (2011). Laços intergeracionais no contexto contemporâneo. Estudos de Psicologia, 16(2), 171-177. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-294X2011000200008

Bortoni-Ricardo, S. M. (2005). Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola.

Bourdieu, P. (2001). Meditações pascalianas (Trad. S. Miceli). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2015). Projeto: O Habitus de Estudar:

Construtor de uma nova realidade da educação básica da Região Metropolitana de Natal.

Carvalho, J. M. (2013). Produção cultural e redes de sociabilidade no currículo e no cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, 18(53), 399-414. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-24782013000200009

Castells, M. (1999). A sociedade em rede (Trad. R. de Venancio Majer). São Paulo: Paz e Terra.

de Azevedo, T. B. & Rodriguez, M. V. R. Y. (Agosto, 2010). Softwares para análise de redes sociais - ARS. Anais do VI

Congresso Nacional de Excelência em Gestão: Energia, Inovação, Tecnologia e Complexidade para a Gestão Sustentável. Niterói, RJ, Brazil.

Degenne, A. & Forsé, M. (1999). Introducing social networks. London: SAGE. doi: https://doi.org/10.4135/9781849209373

Gadotti, M. (2005). A questão da educação formal/não-formal. Sion: Institut Internacional des Droits de L’enfant. Recuperado de https://docplayer.com.br/5445484-A-questao-da-educacao-formal-nao-formal.html

Hanneman, R. A. (2001). Introducción a los métodos del análisis de redes sociales (Capítulo 8, Trad. F. de la Rúa). USA: Departmento de Sociología de la Universidad de California, Riverside.

Lemos, M. R. (2010-2011). Sociabilidade em destaque: Um ensaio teórico a partir do intercâmbio analítico entre Ferdinand Tönnies e Émile Durkheim. Cadernos de Campo, 14 e 15, 127-139. Recuperado de https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/5166/4231

Levi-Strauss, C. (1980). A noção de estrutura em etnologia; raça e história; totemismo hoje. São Paulo: Abril cultural.

Lino, C. R. G. & Gomide, M. (2012). Análise de redes sociais na avaliação do programa de controle de hanseníase em um município do interior do Brasil. Caderno de Saúde Coletiva, 20(1), 32-40.

Lisboa, A. V., Féres-Carneiro, T. & Jablonski, B. (2007). Transmissão intergeracional da cultura: Um estudo sobre uma família mineira. Psicologia em Estudo, 12(1), 51-59. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-73722007000100007

Luhmann, N. (1995). Social systems. California: Stanford University Press.

Martinez-Otero, V. (2012). Teoria e prática da educação. Natal: EDUFRN.

Meksenas, P. (2002). Pesquisa social e ação pedagógica: Conceitos, métodos e práticas. São Paulo: Loyola.

Morrish, I. (1975). Sociologia da educação: Uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar.

Piletti, N. (1986). Sociologia da educação. São Paulo: Ática Editora.

Rapold, I. M. (2010). Estabilidade X mudança nas organizações: Uma análise da dinâmica das redes sociais informais de confiança (Dissertação mestrado). Universidade Federal da Bahia. Recuperado de https://pospsi.ufba.br/sites/pospsi.ufba.br/files/ingrid_rapold.pdf

Riani, J. L. R. (Setembro, 2004). Impacto dos fatores familiares, escolares e comunitários na probabilidade de cursar a escola na idade adequada no ensino fundamental e médio. Traqbalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambú-MG.

Rigotti, J. I. R. & Cerqueira, C. A. (2004). As bases de dados do INEP e os indicadores educacionais: Conceitos e aplicações. Em Rios-Neto, E. L. G. & Riani, J. L. R. (Org.), Introdução à demografia da educação (pp. 73-87). Campinas: Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP). Recuperado de http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/livros/article/view/152/150

Rosa, M. G., Fadigas, I. S., Andrade, M. T. T. & Pereira, H. B. B. (julho, 2012). Abordagem de redes por cliques: Aplicação a redes de coautoria. Em Brazilian Workshop on Social Network Analysis and Mining, XXXII Congress olf the Brazilian Compuer Society Computer Society. Curitiba. Recuperado de http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/brasnam/2012/0026.pdf

Soares, I. O. (1995). A comunicação no espaço educativo: Possibilidades e limites de um novo campo profissional. Perspectiva, 13(24), 11-22. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10702/10206

Soares, W. (2002). Da metáfora à substância: Redes sociais, redes migratórias e migração nacional e internacional em Valadares e Ipatinga (Tese Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/FACE-5NGJ5E/tese_weber_soares.pdf?sequence=2

Sprinthall, N. A. & Sprinthall, R. C. (1997). Psicologia educacional: Uma abordagem desenvolvimentista. Lisboa: McGraw-Hill.

Tomaél, M. I. & Marteleto, R. M. (2013). Redes sociais de dois modos: Aspectos conceituais. TransInformação, 25(3), 245-253. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-37862013000300007

Tönnies, F. (1887). Comunidad y sociedad. Barbari y civilización en la filosofia social. Buenos Aires: Editorial Lousada.

Velázquez, O. A. & Aguilar, N. (2005). Manual introductorio al análisis de redes sociales: Medidas de centralidad. Ejemplos prácticos con UCINET 6.85 y NETDRAW 1.48. México: UAEM. Recuperado de https://docplayer.es/934089-Manual-introductorio-al-analisis-de-redes-sociales.html

Wasserman, S. & Faust, K. (1996). Social network analysis: Methods and applications. New York: Cambridge University Press.

Watts, D. J. (2009). Seis graus de separação: A evolução da ciência de redes em uma era conectada. São Paulo: Leopardo.

Published
2020-01-01
How to Cite
Lopes -da Silva, B., Calle-Aguirre, M., & Bezerra-de Lima, V. (2020). Personal networks and school performance in elementary education: a study on the final students of the Santos Dumont State School, Parnamirim in Rio Grande do Norte, Brazil. Revista Electrónica Educare, 24(1), 1-19. https://doi.org/10.15359/ree.24-1.7
Section
Articles (Peer Reviewed Section)

Comentarios (ver términos de uso)