INTERSUBJETIVIDADE E GESTALT COMO FUNDAMENTO DA ANÁLISE EM GEOGRAFIA URBANA

  • Washington Ramos Dos Santos Junior
Palabras clave: Intersubjetividade, Gestalt, Geografia Urbana, Ontologia

Resumen

Este artigo fundamenta a análise em Geografia Urbana com base na intersubjetividade de Heidegger e na Gestalt Urbana de Maria E. Kohlsdorf. Para tanto, deve-se romper com a Geografia de herança cartesiana e kantiana e reintroduzir no debate a noção de Geografia como dimensão do ser. Assim, a existência autêntica dá-se quando os sujeitos exercem sua cidadania e reduzem a participação que planejadores e governantes tem na condução da vida urbana, bem como na alteridade vivenciada nas urbes, ainda que as diferenças sejam ônticas e não ontológicas.

Abstract

This paper substantiates Urban Geography analysis by Heidegger’s intersubjectivity and. Kohlsdorf’s Urban Gestalt. In order to achieve it, there must be a rupture with Descartes’ and Kant’s Geography and replace it with the notion of Geography as being’s dimension. Therefore, authentic (Eigentlich) existence happens when subjects exert citizenship and diminish planners’ and governmental body’s participation in the management of urban life, as well as in otherness experienced in cities, though differences are ontic not ontological.

Cómo citar
Ramos Dos Santos Junior, W. (1). INTERSUBJETIVIDADE E GESTALT COMO FUNDAMENTO DA ANÁLISE EM GEOGRAFIA URBANA. Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/3134