O VALOR DA APREENSÃO DA PAISAGEM DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA/BA CENTRADA NO SUJEITO E NO ESPAÇO

  • Delza Rodrigues de Carvalho Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Maria Geralda de Almeida Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Palabras clave: Análise Diacrônica e Sincrônica, Valoração econômica, Método de Contingência

Resumen

O presente artigo estima o valor econômico atribuído pelos Agentes/Atores Sociais aos Municípios de Lençóis, Mucugê, Andaraí, Palmeiras e Ibicoara,  com uso do Método de Avaliação Contingente, a partir da valoração da paisagem centrada no sujeito e no espaço. A atividade turística da região está centrada na singularidade do local, cuja variada de recursos naturais expressam o mais belo cenário paisagístico montanhoso da Bahia, formado por um conjunto de vales e serras, riqueza arquitetônica das cidades históricas, vegetação exótica, quedas d‘água contando com a presença constante de cascatas e outros atrativos naturais. Os entrevistados foram questionados sobre as suas disposições a pagar, através do DAP, constituído de perguntas estruturadas, no formato dicotômico para responder, (Sim / Não). Constatou-se na pesquisa empírica a dificuldade em induzir os indivíduos a revelaram sua verdadeira disposição de pagar pelo patrimônio ambiental, em razão da responsabilidade individual do entrevistado, frente à questão e a possibilidade de aproveitamento coletivo advindo da conservação ambiental.
Cómo citar
Rodrigues de Carvalho, D., & de Almeida, M. (1). O VALOR DA APREENSÃO DA PAISAGEM DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA/BA CENTRADA NO SUJEITO E NO ESPAÇO. Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/3163