BASE CARTOGRÁFICA DIGITAL COMO INSTRUMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO E MOVIMENTOS DE MASSA EM JOÃO PESSOA (PB), BRASIL

  • Saulo Roberto de Oliveira Vital
  • Bruno Ferreira
  • Osvaldo Girão
  • Caio Lima dos Santos
  • Fábio Carvalho-Nunes
  • Thyago de Almeida Silveira
Palabras clave: risco, erosão, movimentos de massa, João Pessoa (PB), Brasil

Resumen

O presente estudo teve como objetivo, realizar a detecção dos riscos de erosão e movimentos de massa no município de João Pessoa (PB), a partir de técnicas de geoprocessamento. Para isso, foram confeccionados mapas temáticos contendo informações referentes à cobertura do solo, declividade, exposição de vertentes e solos, gerados a partir de imagens do satélite OLI/Landsat e de cartas topográficas. A partir dessas informações foi possível observar que os riscos analisados são basicamente representados por erosões lineares e por desmonte nas encostas e terraços fluviais. Os resultados obtidos mostram uma série de riscos no cotidiano da população residente nessas áreas, merecendo ações que visem a mitigação ou extinção desses riscos. Entende-se assim, que esta temática carece da realização de estudos mais detalhados que ajudem na caracterização, previsão, monitoramento, recuperação e extinção desses problemas socioambientais.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Araújo Filho, J. (2003). Horizontes cimentados em Argissolos e Espodossolos dos tabuleiros costeiros e em Neossolos Regolíticos e Planossolos da depressão sertaneja do Nordeste do Brasil. Tese (doutorado em Geoquímica e Geotectônica) – Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo. São Paulo. 223p.

Barbosa, J. (2003). A deposição carbonática na faixa costeira Recife-Natal: aspectos estratigráficos, geoquímicos e paleontológicos. Tese

(doutorado em Geociências) – Centro de Tecnologia e Geociências

da Universidade Federal de Pernambuco. Recife. 264p.

Campos, M. & Queiroz, S. (2006). Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório-Reconhecimento de Solos do Estado da

Paraíba. São Cristóvão. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 6(1),

-50.

Carvalho, M. (1982). Estado da Paraíba: classificação geomorfológica.

João Pessoa: UFPB.

Cipriano-Silva, R., Valladares, G., Pereira, M. & Anjos, L. (2014). Caracterização de Organossolos em ambientes de várzea do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 38, 26-38.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária/Unidade de Execução e Pesquisa em Recife, (EMBRAPA/UEP Recife). (2006). Solos do Nordeste. Recuperado de www.uep.cnps.embrapa.br/solos/index.html

Garcia, R., Zêzere, J., Oliveira, S. & Reis, E. (2007). A importância do

processo de classificação de dados na cartografia: um exemplo na

cartografia de susceptibilidade a movimentos de vertente. Publicações

da Associação Portuguesa de Geomorfólogos, 5, 265-279.

Girão, O., Corrêa, A., Nóbrega, R. & Duarte, C. (2013). O Papel do Clima nos Estudos de Prevenção e Diagnóstico de Riscos Geomorfológicos em Bacias Hidrográficas na Zona da Mata Sul de Pernambuco. In: Guerra, A. & Oliveira- Jorge, M. (Eds.). Erosão e Movimentos de Massa: Recuperação de Áreas Degradadas e Prevenção de Acidentes. São Paulo: Oficina de Textos.

Guerra, A. (2011). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Guerra, A. & Marçal, M. (2006). Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (IBGE). (2010). Censo.

Recuperado de http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=250750.

Mabesoone, J. & Rolim, J. (1982). Problemas estratigráficos e sedimentológicos do Cenozóico nordestino. Estudos Pesquisas, 5, 7-18.

Macedo, E. (2001). Elaboração de cadastro de risco eminente relacionado a escorregamentos: avaliação considerando a experiência profissional. Tese (doutorado em Geociências e Meio Ambiente) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual

Paulista. Rio Claro, SP.

Melo, A., Heckendorff, W., Alves, E. & Guimarães, M. (2001). O meio ambiente natural: componentes abióticos e bióticos. In: Melo, A. (Eds.). Projeto de Pesquisa: Vale do Jaguaribe. João Pessoa: UNIPÊ.

Mendonça, I., Lombardi-Neto, F. & Viégas, R. (2006). Classificação da

capacidade de uso das terras da Microbacia do Riacho Una, Sapé,

PB. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 10(4),

-895.

Oliveira, F. (2001) Degradação do meio físico e implicações ambientais

na bacia do rio Jaguaribe – João Pessoa – PB. Dissertação (mestrado

em Geociências) – Centro de Tecnologia e Geociências da Universidade

Federal de Pernambuco. Recife. 95p.

Pereira, L. & Lombardi-Neto, F. (2004). Avaliação da Aptidão Agrícola

das Terras: proposta metodológica. Jaguariúna, SP: EMBRAPA.

Pereira, M., Monteiro, D., Silva, N. & Moura, M. (2012). Avaliação quantitativa das precipitações diárias intensas na cidade de João Pessoa, Paraíba. Revista Geonorte, 1(5), 921-929.

Pereira, M. & Alves, R. (2007). Composição florística de um remanescente de Mata Atlântica na Área de Proteção Ambiental Barra do Rio Mamanguape, Paraíba, Brasil. Revista de Biologia e Ciências

da Terra, 7(1), 1-10.

Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP). (2015). Jampa em Mapas.

Recuperado: http://geo.joaopessoa.pb.gov.br/digeoc/htmls/

Rosa, P. (2003). Perfil socioeconômico da população dos aglomerados de quatro compartimentos topográficos de João Pessoa (PB): diagnóstico elementar. Recuperado:http://www.geociencias.ufpb.

br/~paulorosa/Documentos/Projetos_e_diagnosticos/Diag_Socio_

EconAglomSub-NormaisJPA.pdf.

Santos, C., Wanderley, L., Vital, S. & Girão, O. (2015). Análise da suscetibilidade à ocorrência de enchentes e alagamento na bacia do alto/médio curso do rio Jaguaribe, João Pessoa/PB, a partir de características morfométricas extraídas de dados SRTM. Revista de Geociências do Nordeste, 1(1), 37-49.

Spera, S., Reatto, A., Martins, E., Correia, J. & Cunha, T. (1999). Solos

areno-quartzosos do Cerrado: características, problemas e limitações

ao uso. Planaltina: Embrapa-CPAC.

Publicado
2016-11-20
Cómo citar
de Oliveira Vital, S., Ferreira, B., Girão, O., Lima dos Santos, C., Carvalho-Nunes, F., & de Almeida Silveira, T. (2016). BASE CARTOGRÁFICA DIGITAL COMO INSTRUMENTO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO E MOVIMENTOS DE MASSA EM JOÃO PESSOA (PB), BRASIL. Revista Geográfica De América Central, 2(57), 262 - 287. https://doi.org/10.15359/rgac.57-2.10
Sección
Estudios de Caso (Evaluados por pares)