MOBILIDADE TERRITORIAL DE FAMÍLIAS SERINGUEIRAS NA ZONA DE FRONTEIRA DO ACRE (BRASIL) E PANDO (BOLÍVIA)

  • Maria de Jesus Morais Universidade Federal do Acre.
  • Elder Andrade de Paula Universidade Federal do Acre.
  • Mariette de Souza Espíndola Geografia/Universidade Federal do Acre.
Palabras clave: mobilidade territorial, famílias seringueiras.

Resumen

A mobilidade territorial de seringueiros acreanos na faixa fronteiriça do Acre e do Pando é o tema desta comunicação. Nela buscaremos discutir as dimensões materiais e imateriais que estão presente nos momentos de deslocamento dos seringueiros acreano. Nesse sentido discutiremos os condicionantes postos no Acre para a saída, bem como os condicionantes postos na Bolívia para a chegada e os condicionantes postos no Acre e na Bolívia para o retorno ao Acre, em dois momentos principais. O primeiro: o da chegada da frente agropecuária (décadas de 1970-1980) e da instabilidade sócio-econômica provocada pelos “novos donos da terra” que muito contribuíram para o deslocamento de seringueiros para o Pando. O segundo é o do “retorno” para o Acre e/ou permanência na Bolívia (anos 2000), novamente em situação de extrema precariedade social e territorial. Em linhas gerais trabalha-se esse movimento migratório tendo por base o processo de expropriação territorial em decorrência do avanço da fronteira agrícola, documentado na história oral das famílias migrantes que contam as tensões do viver “entre-lugares”, ou seja, a sua condição de sujeito transterritorial, deslocado; com territorialidades e territórios vivenciados entre o aqui e o , entre o antes e o depois de um território emigrado, entre o passado e o presente, entre a ausência e a presença.

Biografía del autor

Maria de Jesus Morais, Universidade Federal do Acre.
Profª. Drª. Universidade Federal do Acre.
Elder Andrade de Paula, Universidade Federal do Acre.

Prof. Dr. Universidade Federal do Acre.

Mariette de Souza Espíndola, Geografia/Universidade Federal do Acre.

Bolsista PET- Geografia/UFAC

Cómo citar
Morais, M., Andrade de Paula, E., & de Souza Espíndola, M. (1). MOBILIDADE TERRITORIAL DE FAMÍLIAS SERINGUEIRAS NA ZONA DE FRONTEIRA DO ACRE (BRASIL) E PANDO (BOLÍVIA). Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2429