O terreiro de candomblé representado na poética afro-brasileira

  • Denilson Lima Santos
Palabras clave: terreiro, Iorubá, Banto, poema, ancestralidade Aloisio Resende, Solano Trindade, Brasil territorio, Yoruba, Bantu, poemas, ancentralidad, Aloisio Resende, Brasil, Africa

Resumen

O conhecimento das tradições iorubás e bantas está presente na sociedade brasileira. Isso se deve a mancha indelével da escravidão. Desterrados, sem direito a trazer nada, os povos africanos, ainda assim, reconstruíram apenas, com o conhecimento que estava impresso em seus corpos, novas territorialidades e saberes no Brasil. A partir dessa herança ancestral, propomos neste ensaio analisar como o poeta Aloisio Resende e Solano Trindade fazem da cosmovisão afro difundida na comunidade-terreiro uma proposta estética que está contra a estética hegemônica. Assim, comparamos os poemas dos dois escritores com o objetivo de entender a linguagem que reinventa o espaço da ancestralidade.

El conocimiento de las tradiciones Yoruba y Bantu está presente en la sociedad brasileña como resultado de la imborrable huella de la esclavitud. Alejados de su tierra, sin derecho a traerse nada, los africanos han reconstruido apenas con el conocimiento impreso en sus cuerpos, nuevo conocimiento y territorialidad en Brasil. Desde esta herencia ancestral, proponemos analizar en este artículo cómo los poetas Aloisio Resende y Solano Trindade hacen de la cosmovisión africana expandida en la comunidad, una propuesta estética contraria a la estética hegemónica. De esta manera, comparamos los poemas de los dos escritores con el objetivo de comprender el lenguaje que reinventa el espacio de lo ancestral.

Knowledge of the Yoruba and Bantu traditions is present in Brazilian society. This had resulted of indelible stain of slavery. So far way of their land, without the right to bring anything, African people still just rebuilt, with the knowledge that was printed on their bodies, new knowledge and territoriality in Brazil. From this ancestral heritage, we propose in this article to analyze how the poets Aloisio Resende and Solano Trindade do the African worldview widespread in candomblé’s community an aesthetic proposal which is against the hegemonic aesthetic. Thus, we compared the poems of the two writers with the aim of understanding the language that reinvents the space of ancestry

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Denilson Lima Santos

 

 

Mestre em Literatura e Diversidade Cultural (UEFS). Autor do livro Para Além da Tragédia - África e Brasil Sob o Olhar Literário (2011). Atualmente é estudante do Doutorado em Literatura da Universidade de Antioquia (Medellín, Colômbia): orientador Doutor Selnich Vivas Hurtado. Bolsista da CAPES, Ministério de Educação, processo número 19036/12-4 e membro do grupo de pesquisa GELCIL (Grupo de Estudos de Literatura e Cultura Intelectual Latino-Americana).

Citas

Bhabha, H. K. (1998). O local da cultura.

Belo Horizonte: UFMG.

Eliade, M. (1992). O sagrado e o profano.

Trad. Rogério Fernandes. São

Paulo: Martins Fontes.

Guatarri, F. & Rolnik, S. (1999). Micropolítica:

cartografias do desejo.

Petrópolis, RJ: Vozes.

Haesbaert, R. (2007). Concepções de

território para entender a desterritorialização.

In: Santos, M.

Território, territórios: ensaio

sobre o ordenamento territorial.

Rio de Janeiro: Lamparina.

Hall, S. (2005). A identidade cultural

na pós-modernidade. Rio de

Janeiro: DP&A.

Le Goff, J. (1991). História e memória.

Campinas: UNICAMP.

Martins, L. M. (1997). Afrografias

da memória: O reinado do

Rosário no Jatobá. Belo Horizonte:

Mazza.

Munanga, K. (2008). Rediscutindo a

mestiçagem no Brasil: identidade

nacional versus identidade negra.

Belo Horizonte: Autêntica.

Oliveira, E. (2007). Filosofia da ancestralidade:

corpo de mito na

filosofia da educação brasileira.

Curitiba: Popular.

Pereira, E. de A. (2002). Cantopoema:

uma literatura silenciosa no Brasil.

Em: Figueiredo, M. do C. L. &

Fonseca, M. N. S. (eds.). Poéticas

afro-brasileiras. Belo Horizonte:

Mazza: PUC Minas. p. 60-76.

Resende, A. (2000). Poesias. Em: Morais,

A. A. V. (org.). Aloísio Resende:

poemas; com ensaios críticos

e dossiê. Feira de Santana: UEFS.

Ricoeur, P. (1988). Interpretação e ideologias.

Rio de Janeiro: Alves.

Santos, Elbein dos Joana. (1986). Os

nagô e a morte: pàde, àsèsè e o

culto de Égun na Bahia. Petrópolis,

Rio de Janeiro: Vozes.

Sodré, M. (2002). O terreiro e a cidade:

a forma social negro-brasileira.

Rio de Janeiro: Imago;

Salvador: FCE-BA.

Souza, F. (2004). Literatura Afro-brasileira:

algumas reflexões. Afro-

Ásia. 31: 277-293.

Taylor, D. (2008). El archivo y el repertorio:

performance y memoria

social. Recuperado de: http:b//

hemi.nyu.edu/esp/seminar/peru/

call/workgroups/perfsocmemdtaylor.shtml.

Trindade, S. (2008). O poeta do povo.

São Paulo: Ediouro.

Woodward, K. (2000). Identidade e

diferença; uma introdução teó-

rica e conceitual. Em: Silva,

T. T. Identidade e diferença: a

perspectiva dos estudos culturais.

Petrópolis: Vozes.

Zumthor, P.(1997). Introdução à poesia

oral. São Paulo: Zucitec.

Publicado
2016-05-06
Cómo citar
Lima Santos, D. (2016). O terreiro de candomblé representado na poética afro-brasileira. Repertorio Americano, 1(24), 181-196. Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/repertorio/article/view/7928
Sección
Artículos