Povo Laklãnõ/Xokleng no/do Vale do Itajaí: cosmologia e memórias e/m re-existências

Palabras clave: Povo Laklãnõ/Xokleng, memória coletiva, cosmologia, resistência, Vale do Itajaí

Resumen

A trajetória do Povo Laklãnõ/Xokleng (SC/BR), desde o século XVIII, consiste em contínuos e sistemáticos processos de subalternizações, genocídios e estigmações a definir fronteiras simbólicas e físicas, territórios e territorialidades, que se estendem até os dias atuais, enquanto sombras na construção da memória coletiva regional. Este estudo busca, a partir de “Rodas de Fogo” - Pē Bam Nõdē, socializar dimensões simbólicas e identitárias identificadas nas memórias coletivas do povo Laklãnõ/Xokleng, que atuam para/na construção de seus territórios e territorialidades, reverberam e articulam processos de resistência e/m luta por seus direitos. Histórias invisibilizadas da narrativa oficial que possibilitam luzes para/na construção de outros olhares e leituras – outros tempos, espaços, lugares regionais.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Acosta, Alberto. (2016). O bem viver. Uma oportunidade para imaginar outros mundos. Autonomia Literária, Elefante.

Baniwa, Gersem. (2006). O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional.

Baniwa, Gersem. (2015). Autonomia indígena no Brasil: desafios e possibilidades. Em: Duprat, Débora (Org). Convenção n. 169 da OIT e os Estados Nacionais. ESMPU, p.117-137.

Baniwa, Gersem. (2016). O Território Indígena. Entrevista para Projetos “Povos Originários de Nuestra América” e “Indígena Digital” do IELA. https://www.youtube.com/watch?v=svrUf6f1w5E

Benjamin, Walter et al. (1983). Textos escolhidos. 2˚ ed. Abril Cultural.

Bento, Karla Lúcia. (2018). Povo Laklãnõ/Xokleng e/em processos de decolonização: leituras a partir da Escola Indígena de Educação Básica Vanhecu Patté - Aldeia Bugio. (Tese de doutorado em Desenvolvimento Regional. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Regional de Blumenau). https://bu.furb.br//docs/TE/2018/364848_1_1.pdf

Bonnemaison, Joel. (1980). Espace géographique et identité culturelle en Vanuatu (exNouvellesHébrides). Journal de la Société des océanistes, 181-188.

Bonnemaison, Joel. Cambrezy. (1996). La Lien entre frontierès et identités. Géographie et Cultures, n.20, 6-15.

Bonnemaison, Joel. (2002). Viagem em torno do território. Em: Correa, Roberto L.; Rosendahl, Zeny. Geografia cultural: um século (3). Eduerj, p. 83-132.

Bosi, Ecléa. (2003). O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. Ateliê Editorial.

Bourdie, Pierre. (1983). Sociologia. Ática.

Brighenti, Clovis Antonio; Oliveira, Osmarina de. (2014). Espaço, memória e territorialidade: as terras indígenas em SC. Cadernos do CEOM, v. 20, n. 27, 21-42

Calvo, Carlos Alberto Osorio. (2017). Religiosidad e identidade: la lucha indígena como resistencia territorial desde la Espiritualidad. Kavilando, v. 9, n.1, 184-203.

Camlém, Elaine Kosiclã. (2020). Cândida Patté, parteira tradicional do Povo Xokleng Laklãnõ: retomada de práticas tradicionais e a saúde das mulheres. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina). https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/204693

Chagas, Miriam de F. (2005) Estudos Antropológicos nas comunidades remanescentes de quilombos: sinais que amplificam a luta por uma vida histórica, vida jurídica. Em: Leite, Ilka B. (org.). Laudos Periciais Antropológicos em debate. NUER, ABA. pp. 71 – 79.

Chamorro, Graciela. (2008). Terra Madura, Yvy Araguyje: fundamentos da palavra guarani. Editora UFGD.

Chamorro, Graciela; Martins, Andérbio Márcio Silva. (2015). Diversidade linguística no Mato Grosso do Sul. Em: Chamorro, Graciela; Combès, Isabelle. (Org.). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Ed. UFGD, 729 – 744.

Claval, Paul. (2002). A volta do cultural na Geografia. Revista de Geografia da UFC, ano 01, n. 01.

Contreras, Jesús. (1992). Alimentación y cultura: reflexiones desde la Antropología. Revista Chilena de Antropologia. n.11, 95-111.

Conversa com Povo Laklãnõ sobre Território Tradicional. (2020, 27 de outubro). Página Opinião Pública Do Povo Laklãnõ/Xokleng. https://www.facebook.com/Xokleng/videos/2852111005023352

Crendô, Jair Ghoguin. (2015). O Espaço tradicional Xokleng/Laklãnõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Criri, João. (2015). A Alimentação tradicional Laklãnõ (Xokleng). (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Criri Neto, Aristides Faustino. (2015). Alfabetização na Lingua Laklãnõ/Xokleng na Escola Indígena de Educação Básica Laklãnõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Criri, Voia. (2020). Impactos da colonização e da barragem norte sobre a espiritualidade do povo Laklãnõ/Xokleng: memórias do ritual do Pétogdé. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Cuzugni, Vilma Couvi Patte. (2020). Dança das árvores e a dança da voz: jeito de dar nome as crianças no Povo Xokleng / Laklãnõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Dagnoni, Catia. (2018). O “outro” lado da Barragem Norte: território, memória e/m resistência. (Tese de Doutorado em Desenvolvimento Regional - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Regional de Blumenau).

Echeverrí, J. A. (2004). Territorio como cuerpo y territorio como naturaleza: diálogo intercultural? Em: Surrallés, A. e García Hierro, P. (Orgs.). Tierra adentro: territorio indígena y percepción del entorno. Grupo Internacional de Trabajo sobre Asuntos Indígenas.

Escobar, Arturo. (2015). Territorios de diferencia: la ontología política de los “derechos al territorio”. Cuadernos de Antropología Social, n.41, 25-37.

Flávio, Luiz Carlos (2011). Memória(s) e território: elementos para o entendimento da constituição de Francisco Beltrão-PR. (Tese de Doutorado em Geografia - Programa de Pós-Graduação em Geografia, Unesp).

Gakran, Namblá. (2015). Elementos fundamentais da gramática Laklãnõ. (Tese de Doutorado em Linguística - Universidade de Brasília).

Geertz, Clifford. (1989). A interpretação das culturas. LTC.

Gonçalves, José Reginaldo Santos. (2007). Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Museus e Centros Culturais.

Haesbaert, Rogério. (2004). O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Bertrand Brasil.

Haesbaert, Rogério. (2021). Território e descolonialidade: sobre o giro (multi) territorial/de(s)colonial na América Latina. CLACSO; Programa de Pós-Graduação em Geografía; Universidade Federal Fluminense. http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20210219014514/Territorio-decolonialidade.pdf

Halbwachs, Maurice. (1990). A memória coletiva. Tradução de Laurent Leon Schaffter. Vertice.

Kluge, Anderson Rodrigo. (2020). Minhas crenças, minha religião. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Little, Paul E. (1994). Espaço, memória e migração: por uma teoria da reterritorialização. Textos de História, v. 2, no 4.

Little, Paul E. (2002). Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia nº 322, UnB.

Maldonado, L. (2014). El Sumak Kawsat/Buen Vivir/Vivir Bien: la experiencia de la República del Ecuador. Em: Hidalgo-Capitán, A. L.; García, A. G.; Guazha, N. D. (ed.). Sumak Kaesay Yuyay: antología del pensamiento indigenista ecuatoriano sobre Sumak Kawsay. Huelva y Cuenca: FIUCUHU, 193-210

Markus, Cledes; Oliveira, Lilian Blanck de. (2005). Ensino Religioso: memória e perspectivas. Em: Junqueira, Sérgio Rogério Azevedo; Oliveira, Lilian Blanck de. (orgs). Champagnat.

Meliá, Bartomeu. (1979). Educação indígena e alfabetização. Loyola.

Memórias Laklãnõ/Xokleng: Saberes e Resistências da e na Aldeia Bugio (Documentário) (2018). Em: EIEB VANHECU PATTÉ. Dossiê Experiências Pedagógicas de Professores e Professoras Indígenas na E.I.E.B.

Munduruku, Daniel. (2017). Mundurukando 2: sobre vivências, piolhos e afeto - Roda de conversa com educadores. UK’A Editorial.

Munduruku, Daniel. (2020, outubro). Escrita indígena: registro, oralidade e literatura. Revista Emília http://revistaemilia.com.br/escrita-indigena-registro-oralidade-e-literatura

Neto, Jaime Bernardo. (2021). Sobre memória, identidade e territorialidade – reflexões a partir da Geografia. Geog Ens Pesq, v. 25 / 02, 1-26.

Oliveira, E. (2007). Filosofia da ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Editora Gráfica Popular.

Oyěwùmí, Oyèrónkẹ́. (2002). Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects. In: Coetzee, Peter H.; Roux, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. Routledge, 391-415.

Oyěwùmí, Oyèrónkẹ́. (2017). La invención de las mujeres. Una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género. En la frontera.

Padilha, Margarete Vaicome Patte. (2020). Modos de transmissão, ensino e aprendizagem da língua Xokleng/Laklãnõ no contexto familiar e no ambiente escolar. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Paté, Abraão Kovi. (2014). Ensino da língua materna Xokleng/Laklãnõ: silenciamento, opressão e resistência. Em: Keim, Ernesto Jacob. Org. Educação na diversidade étnica: educação escolar indígena no contexto pós e anticolonial. CRV.

Patté, Allair Ngaumm. (2015). Histórias cotidianas Laklãnõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Paté, Osias Tucugm. (2015). Mulheres Laklãnõ: Um estudo sobre gênero, geração e agência. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Patté, Ana Roberta Uglõ. (2015). Barragem Norte na Terra Indígena Laklãnõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Pereira, Walmir da S. et al. (1998). Laudo Antropológico de identificação e delimitação de terra de ocupação tradicional xokleng: história de contato, dinâmica social e mobilidade indígena no sul do Brasil. FUNAI.

Popó, Carli Caxias. (2015). Cosmologia na visão Xokleng. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Povo Deni y Sass, Walter. (2014). A espiritualidade Deni. Em: Markus, Cledes; Altmann, Lori; Gierus, Renate. Saberes e Espiritualidades Indígenas. Oikos, p.29-52.

Pripra, Acir Caile. (2020). Ouvir os velhos, aprender com eles: memórias, histórias e conhecimentos dos anciões da Terra Indígena Xokleng/Laklanõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Pripra, Walderes Cocta. (2021). Lugares de Acampamento e Memória do Povo Laklãnõ/Xokleng, Santa Catarina. (Tese de Mestrado em História - Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Pryzan, Raquel. (2020). A Fogueira Sagrada para os Índios Fulni-Ô. https://solanomundo.com.br/a-fogueira-em-yaathe

Raffestin, Claude. (1986). Por uma Geografia do Poder. Ática.

Raffestin, Claude. (2009). A produção das estruturas territoriais e sua representação. Em: Saquet, Marcos Aurelio; Sposito, Eliseu Savério (orgs.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. Expressão Popular, p.17-35.

Ramos, Alcida. (1986). Sociedades indígenas. Ática.

Sachs, J. (2000). Communication development in infancy. In: Gleason, J.B. The development of language. Ally and Bacon.

Santos, Boaventura de Sousa. (2004). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. Cortez.

Santos, Sílvio Coelho dos. (1997). Índios e brancos no sul do Brasil: a dramática experiência Xokleng. Edeme.

Silva, Adnilson de Almeida. (2010). Territorialidades e Identidade do Coletivo Kawahib da Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau em Rondônia: “Orevaki Are” (Reencontro) dos “Marcadores Territoriais. (Tese de Doutorado em Georgrafia - Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal do Paraná).

Silva, Adnilson de Almeida. (2013, janeiro). Espiritualidade, territorialidade: interfaces das representações culturais coletivas indígenas. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, [S.l.], v. 27.

Tschucambang, Copacãm. (2015). Artefatos arqueológicos no território Laklãnõ/Xokleng (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Tschucambang, Josiane de Lima. (2020). Ouvir os velhos, aprender com eles: memórias, histórias e conhecimentos dos anciões da Terra Indígena Xokleng/Laklanõ. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Tschucambang, Copacãm; Tschucambang, Josiane de Lima (2018). O Povo Laklãnõ-Xokleng. Em: Darella, Maria Dorothea Post et al (Orgs). Ãg tõ Laklãnõ-Xokleng ãg jákle vãnhló zi kũ: ãg jóba mẽ óg jávãn kũ tõ óg ze jógpalag jã. Consciência Laklãnõ-Xokleng em ação: jeitos de ensinar e aprender na terra indígena Laklãnõ. s.n, 21-26.

Tuan, Yi-Fu. (1983). Espaço e lugar. A perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. Difel.

Weir, J. A. Quintero. (2019). Fazer comunidade: notas sobre território e territorialidade a partir do sentipensar indígena na bacia do Lago de Maracaibo. Deriva.

Weitschá, Micael Vaipon. (2015). Da história oral Laklãnõ/Xokleng para história em quadrinhos. (Tese de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Universidade Federal de Santa Catarina).

Westhelle, Vítor. (1990). Os sinais dos lugares; as dimensões esquecidas (preleção inaugural). Em: Dreher, Martin Norberto (org.). ed. Peregrinação; estudos em homenagem a Joachim Herbert Fischer pela passagem de seu 60° aniversário. Sinodal, 255-268.

Xumayá Xya. (2020). Conversa com Povo Laklãnõ sobre Território Tradicional. Página Opinião Pública do Povo Laklãnõ/Xokleng. Facebook, 27 de outubro. https://www.facebook.com/Xokleng/videos/2852111005023352
Publicado
2022-01-18
Cómo citar
Carneiro da Fontoura, G., & Blanck de Oliveira, L. (2022). Povo Laklãnõ/Xokleng no/do Vale do Itajaí: cosmologia e memórias e/m re-existências. Siwô’ Revista De Teología/Revista De Estudios Sociorreligiosos, 15(1), 73-109. https://doi.org/10.15359/siwo.15-1.4
Sección
Artículos