SUSCETIBILIDADE À DESERTIFICAÇÃO DAS TERRAS SECAS DE GILBUÉS (ESTADO DO PIAUÍ) E CABROBÓ (ESTADO DO PERNAMBUCO), NORDESTE DO BRASIL

  • Laryssa Sheydder-de-O-Lopes Universidade Federal de Pernambuco
  • Rafael Celestino-Soares Universidade Federal do Ceará
Palabras clave: Degradação ambiental, Indicadores de desertificação, Núcleos de desertificação, Atividade antrópica

Resumen

Desertificação é um processo de fragilidade dos ecossistemas de terras secas em geral que, em decorrência da pressão excessiva exercida pelas populações humanas, perde sua produtividade e capacidade de regenerar-se. O objetivo deste trabalho foi discutir a suscetibilidade à desertifica- ção de duas áreas-piloto no Nordeste do Brasil: Gilbués (Piauí) e Cabrobó (Pernambuco). Estas áreas possuem características geológicas, de solo, clima e vegetação diferenciadas, no entanto, as atividades humanas possuem pontos em comum, tais como a agricultura, o desmatamento e a pecuária. A metodologia utilizada foi o levantamento bibliográfico e pesquisa de campo para coleta de dados e registros fotográficos. As consequências da desertificação resultam no empobrecimento da população local e declínio da qualidade ambiental, como também em processos migratórios intraregionais, perda de biodiversidade e de territorio.

Biografía del autor

Laryssa Sheydder-de-O-Lopes, Universidade Federal de Pernambuco
Doutoranda em Geografia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE). Av. Professor Morais Rego,
1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901. 
Rafael Celestino-Soares, Universidade Federal do Ceará
Doutorando em Geologia (Universidade Federal do Ceará- UFC). Avenida da Universidade, 2853 - Benfica,
Fortaleza - CE, 60020-181. 

Citas

Ab’Saber, A. N. (2010). A problemática da desertificação e savanização no Brasil Tropical. In: Bartoreli. A. Obra Completa de Aziz Nacib Ab’Saber. São Paulo: BECA.

Aquino, C. M. S., y Oliveira, J. G. B. de (2006). Suscetibilidade das terras secas do estado do Piauí à desertificação: avaliação a partir de índices. Mercator, 5(9) 49-60.

BRASIL. (1997). Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional. Agenda 21. Brasil, 160p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (IBGE). (2014). Cidades. Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: novembro de 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Demográfico. Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: dezembro de 2015.

Hare, F. K., Warren, A., Maizels, J. K., Kates, R. W., Johson, D. L., Haring, K. y Johson Garduño, M. A. (1992). Desertificação: causas e consequências. Lisboa: Fundação Calouste Gulbemkian.

Lopes, L.S.O., Santos, R. W. P. dos. y Miguel Filho, M. A. (2011). Núcleo de desertificação de Gilbués: causas e intervenções. Revista Geografia (Londrina), 20(2), 53-66.

Matallo, JR, H. (2001). Indicadores de desertificação: histórico e perspectivas. Brasília: UNESCO.

Melo, J. A. B. de, Lima, E. R. V. de y Pereira, R. A. (2008). Abordagem teórico-conceitual sobre riscos e perigos e sua manifestação no semiárido brasileiro através da desertificação. OKARA, 2(2), 164-176.

Perez-Marín, A. M., Cavalcanti, A. de M. B. y Medeiros, S. S. de, Tinô- co, L. B. de M. y Salcedo, I. H. (2012). Núcleos de desertificação no semiárido brasileiro: ocorrência natural ou antrópica? Parcerias Estratégicas. Brasília,17(34), 87-106.

Pfaltzgraff, P. A. dos S. (2010). Geodiversidade do Piauí. Recife: CPRM.

Rodrigues, V. (1986). Situação de desertificação no Estado do Piauí. In: SEMA. Seminário sobre desertificação no Nordeste: documento final. Brasília.

Sales, M. C. L. (2003). Degradação ambiental em Gilbués-Piauí. Mercator, 2(04) 115-125.

Sampaio, E. V. S. B., Araújo, M. do. S. y Sampaio, Y. S. B. (2005). Impactos ambientais da agricultura no processo d desertificação no Nordeste do Brasil. Revista de Geografia. Recife, 22(1).

Santos, J. M. dos. (2011). Estratégias de convivência para a conservação dos recursos naturais e mitigação dos efeitos da desertificação no semiárido. In: LIMA, R. da. C. C. (org.) Desertificação e mudançasclimáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande: INSA-PB.

Silva, A. K. de. O.; y Silva, H. P. de B. (2015). O processo de desertificação e seus impactos sobre os recursos naturais e sociais no município de Cabrobó, Pernambuco, Brasil. Revista Eletrônica de Humanidadesdo Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 8(1), 203-215.

Soares, D. B., Mota Filho, F. de O. y Nóbrega, R. S. (2011). Sobre o processo de desertificação. Revista Brasileira de Geografia Física. Recife, 01, 174-188.

Suertegaray, D. M. A. (2000). Desertificação: recuperação e desenvolvimento sustentável. In: A. J. T; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meioambiente. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Vasconcelos sobrinho, J. (1971) Núcleos de desertificação no polígono das secas: nota prévia. Recife: SUDENE.

Vieira, R. M. S. P., Tomasella, J., Alvalá, R. C. S., Sestini, M. F., Affonso, A. G., Rodriguez, D. A., Barbosa, A. A., Cunha, A. P. M., Valles, G. F., Crepani, E., Oliveira, S. B. P., Souza, M. S. B. de., Calil, P. M., Carvalho, M. A. de., Valeriano, D. M., Campello, F. C. B. y Santana, M. O. (2015). Identifying areas susceptible to desertification in the Brazilian Northeast. Soid Eart, 6, p.347.

Publicado
2016-05-19
Cómo citar
Sheydder-de-O-Lopes, L., & Celestino-Soares, R. (2016). SUSCETIBILIDADE À DESERTIFICAÇÃO DAS TERRAS SECAS DE GILBUÉS (ESTADO DO PIAUÍ) E CABROBÓ (ESTADO DO PERNAMBUCO), NORDESTE DO BRASIL. Revista Geográfica De América Central, 1(56), 307-323. https://doi.org/10.15359/rgac.1-56.13
Sección
Estudios de Caso (Evaluados por pares)