PAISAGEM E OLHARES: A PAISAGEM NOS DISCURSOS GEOGRÁFICO E HISTÓRICO

  • Eliane Kuvasney UNIFIEO (Osasco – SP, Brasil).
Palabras clave: Geografia Histórica, Geografia Humana Retrospectiva, História, Paisagens Pretéritas, Planalto Paulistano, Paisagem Colonial.

Resumen

O trabalho visa observar como historiadores e geógrafos apresentam a configuração territorial no planalto paulistano entre os séculos XVI e XVII. A partir do conceito de paisagem e sua evolução, busca-se compreender como o pesquisador constrói a paisagem colonial a partir de seus fragmentos (levantados na documentação) e se essa construção é fruto de avanços, retrações, incorporações ou mudanças de paradigma, no âmbito dessas ciências, quanto ao uso desse conceito.

A partir o quadro acadêmico institucional no qual os primeiros geógrafos e historiadores formados no Brasil produziram, podemos compreender como se deu a construção de paisagens pretéritas, em especial a configuração territorial no planalto paulistano entre os séculos XVI e XVII.   Nossa tese principal é a de que geógrafos dessas primeiras gerações (principalmente dos anos cinquenta e começo dos anos sessenta) constroem paisagens pretéritas a partir dos trabalhos de seus predecessores – principalmente os historiadores – que dominavam o cenário acadêmico institucional quando da formação dos cursos de Geografia e História no Brasil.

Biografía del autor/a

Eliane Kuvasney, UNIFIEO (Osasco – SP, Brasil).
Mestre em Geografia Humana. Professora do Curso de Geografia.
Cómo citar
Kuvasney, E. (1). PAISAGEM E OLHARES: A PAISAGEM NOS DISCURSOS GEOGRÁFICO E HISTÓRICO. Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2330