CONTINUIDADES E RUPTURAS: ORGNANIZAÇÃO LABORAL E CAMPESINATO NO BRASIL

  • Daniela Egger Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores da UERJ.
Palabras clave: Modernização da agricultura, campesinato, organização laboral.

Resumen

Como objetivo central para este trabalho, tomaremos como perspectiva a análise da organização laboral e produtiva dos camponeses, considerando como essencial o acesso à terra bem como aos demais meios de produção por parte dos agricultores. Isto, porém, nos leva a buscar duplamente a compreensão dos pontos de ruptura e elementos de continuidade das formas sociais tradicionais ou modernas no campo brasileiro. Para tanto, entendemos como metodologia de análise as mudanças nas relações sociais e do meio de produção no espaço rural como efeito geral da modernização da agricultura. E, dentro deste contexto, propomos uma busca pela compreensão do espaço rural no Brasil, situando transformações sócio-espaciais, considerando as mudanças na estrutura produtiva, que consistem na mudança da racionalidade camponesa e que se traduzem na atual diversificação da organização laboral e produtiva.

Biografía del autor/a

Daniela Egger, Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores da UERJ.
Géografa, Mestre em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade – CPDA – UFRRJ. Professora Substituta do Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores da UERJ.
Cómo citar
Egger, D. (1). CONTINUIDADES E RUPTURAS: ORGNANIZAÇÃO LABORAL E CAMPESINATO NO BRASIL. Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2423