A GEOGRAFIA ESCOLAR NÃO SERVE PARA QUASE NADA, MAS

  • Nestor Andre Kaercher Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palabras clave: geografia escolar, ensino de geografia, literatura e poesia na geografia, práxis docente

Resumen

Objetivos: refletir acerca de algumas praticas de sala de aula da geografia escolar no estado do Rio Grande do Sul (Brasil), bem como propor que a docência da geografia incorpore as categorias espaciais - sobretudo espaço, territorio, lugar, região, natureza - como um exercicio ontológico que pense permanentente espaço, tempo e cultura como constituidoras da condição humana.

Método: utilizando relatos de estagiários da licenciatura em Geografia questionamos a pratica dos docentes da disciplina no Ensino Fundamental e Médio. Valendo-nos da poesia (Fernando Pessoa), da literatura (Guimarães Rosa) e de autores da geografia (varios), bem como do sociologo Edgar Morin queremos propor temáticas para a renovação das praticas docentes.

Contribuições: refletir sobre a pratica docente da geografia escolar, propor alternativas de temas e de didáticas que auxiliem os docentes na busca de uma maior atratividade e reflexividade da disciplina
Cómo citar
Andre Kaercher, N. (1). A GEOGRAFIA ESCOLAR NÃO SERVE PARA QUASE NADA, MAS. Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2815