SOB A SOMBRA DO IPÊ: A ESPACIALIZAÇÃO DO IMAGINÁRIO NEODRUÍDICO NAS CIDADES BRASILEIRAS

  • Marina Silveira Lopes Universidade Católica de São Paulo
Palabras clave: Nova Era, Neodruidismo, Espacialização, Paisagem Geográfica

Resumen

A Nova Era, movimento globalizado que ocorre em centros urbanos, permitiu diversas releituras de religiões instituicionais, bem como a reinvenção do paganismo. Num mundo conectado em tempo real, tudo é palco de vivências e ressignificações, possibilitando o acesso e a prática de qualquer uma delas. Esse trabalho teve como objetivo verificar como um segmento da Nova Era - os druidas contemporâneos - filiados à BDO/Druidnetwork vivenciavam o seu cotidiano e espacializavam, nas cidades brasileiras, uma religiosidade pautada no imaginário e nas divindades dos antigos celtas. A pesquisa mostrou que a procura por essa religiosidade estava ligada essencialmente as necessidades espirituais que harmonizasse o ser humano com a natureza e mantivesse distância das religiões tradicionais. Para essa reconexão, os druidas contemporâneos sacralizavam a paisagem geográfica, adapatavam-se ao ethos local e rompiam as fronteiras físicas dos territórios adequando-as às suas necessidades imediatas. Por meio dessa articulação espacial manifestavam sua preocupação com o nosso planeta. Todos os atos, incluindo a mudança de hábito era em prol de uma Terra melhor. Em espaços físicos, mentais ou virtuais trocavam a dúvida pela certeza na mudança de consciência da humanidade.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Marina Silveira Lopes, Universidade Católica de São Paulo
Graduada  em Geografia e Mestre em Ciencias da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC.  Professora de Geohistória e Antropologia da Faculdades do Vale do Juruena/MT – AJES
Cómo citar
Silveira Lopes, M. (1). SOB A SOMBRA DO IPÊ: A ESPACIALIZAÇÃO DO IMAGINÁRIO NEODRUÍDICO NAS CIDADES BRASILEIRAS. Revista Geográfica De América Central, 2(47E). Recuperado a partir de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2855